sexta-feira, 28 de abril de 2017

Ponte Preta ou Corinthians: quem leva o Paulistão?

Quando a bola rolar neste domingo (30), no Estádio “Moisés Lucarelli”, em Campinas, Ponte Preta e Corinthians estarão decidindo pela terceira vez na história o título de Campeão Paulista. Nas outras duas vezes (1977 e 1979) o time da Capital fez a festa. Será que 40 anos depois da primeira decisão, marcada pelo episódio “Rui Rei”, o time campineiro vai, finalmente, soltar o grito de campeão? O BLOG DO VALINI conversou com dois botonistas apaixonados por seus clubes, que esbanjaram confiança para essa decisão.

MARCELO “ARANHA” MATOS – Torcedor da Ponte Preta

BV: Por que a Ponte Preta merece ser a campeã paulista?
Aranha: Porque ela é o time de todos. Por ser a “velha macaca” tem simpatia geral. Muitos torcem por ela nas finais, principalmente contra os grandes. É a síndrome do Sansão. E também, lógico, por merecimento. Chegou a vez da Macaca!

BV: Gilson Kleina é melhor que Fábio Carille?
Aranha: Cada macaco no seu galho. Acho  Kleina mais experiente, já sabe a pressão de treinar um time grande, onde todos os jogos são finais. A Ponte mantém um esquema sempre trazendo técnicos que tenham relação com o clube. O outro também busca seu espaço, mas ainda acho que está muito na sombra do Tite. Ele ainda é muito mais assessor do Tite do que técnico com seus próprios esquemas. Não assina a obra.

BV: O que esse título significa para a Ponte Preta?
Aranha: Para nós é final de Copa do Mundo! O que para muitos é só um título, para nós é “O TÍTULO”! Tiramos o Santos (maior vencedor de paulistas no século), o Palmeiras(melhor time nacional na atualidade) e temos a chance de, 40 anos depois, desbancar outro grande no campo do adversário. O clima em Campinas é de decisão e a energia está ótima. Agora é entrar para a história do clube!

BV: Quem é o cara que merece decidir o campeonato a favor da Ponte?
Aranha: Confesso que qualquer um. O time joga o jogo coletivo. Se empatarmos as duas de 0 a 0, tá valendo! Impressionante como isso está funcionando. Todos marcam e todos atacam. Mas para não ficar em cima do muro, torço pelo nosso camisa 9, Pottker. Ele passou por testes e, mesmo vendido, está dando o sangue. Esse cara merece e é bom demais.

BV: Se fosse um jogo de botão, como você descreveria o lance do gol do título?
Aranha: Assim: Lucca leva a bola pelo centro, ignorando a linha de defesa do adversário. Passa a bola para o matador Pottker. Ele vira para o chute e, antes da campainha tocar, pede para o gol. É agora ou nunca, a chance está nas mãos do técnico Aranha. E após um petardo no meio da bola, GOOOOLLLL!!! Dá para ouvir o grito da torcida: “UUUU!!! Ponte, macaca querida, amor da minha vida, sou louco por você!!!”

***************************************************

BRUNO BLOIS – Torcedor do Corinthians”

BV: Por que o Corinthians merece ser o campeão paulista?
Bruno Blois: Não é questão de merecimento, mas sim, que os outros são fracos. Sem mais.

BV: Fábio Carille é melhor que Gilson Kleina?
Bruno Blois: Fábio Carrile é melhor sim, porque vamos passar o Carrile por cima deles. Sem mais e nem menos. (hehehehe)

BV: O título significa salvar o ano do Corinthians?
Bruno Blois: Corinthians vive de Corinthians. Título é consequência de um trabalho.

BV: Quem é o cara que merece decidir o campeonato a favor do Corinthians?
Bruno Blois: Arana, porque joga muito.

BV: Se fosse um jogo de botão, como você descreveria o lance do gol do título?
Bruno Blois: Após tomar o primeiro gol, a equipe do Corinthians dá a saída e fez 1, 2, 3, 4, 5 e “pro gol”: Arana acerta o ângulo e faz um golaço! E fim de jogo: Corinthians 6 X 1 Ponte Preta: timão galáctico campeão paulista!!!

terça-feira, 25 de abril de 2017

FLA X FLU: quem fatura o Campeonato Carioca?

Após 26 anos, um Fla-Flu volta a decidir o Campeonato Carioca. Na última vez que isso ocorreu, em 1991, deu Flamengo. Mas, e a decisão que começa neste domingo, o que ela representa neste clássico de grande rivalidade do futebol brasileiro? O BLOG DO VALINI resolveu ouvir dois fanáticos botonistas/torcedores dessas equipes, que confiam na conquista da taça!

FRANCISCO JÚNIOR – Torcedor do Fluminense

BV: Por que o Fluminense será o campeão carioca?
Francisco Junior: Porque apresenta o futebol mais bonito, visando sempre o gol.

BV: Abel Braga é melhor que Zé Ricardo?
Francisco Junior: Não diria melhor, mas sim consagrado, mais experiente e tem mais do próprio grupo, embora reconheça que o treinador deles faça um bom trabalho. Porém, ainda tem muito chão pela frente.

BV: Quem é o cara que pode decidir esse campeonato a favor do Fluminense?
Francisco Júnior: Wellington Silva. É um jogador vertical, que vai pra cima, tem velocidade e dribla bem.

BV: O que representa, em sua opinião, o título de campeão carioca para o restante da temporada?
Francisco Júnior: Título é sempre título, ainda mais contra eles. Para o time, que é novo, representa uma injeção de confiança que pode fazer a diferença lá na frente.

BV: Se fosse um jogo de botão, como você descreveria o lance do gol do título?
Francisco Júnior: Seria aquele chute de longe, que bate na trave e entra, no finalzinho do jogo, aliás eles cansam de perder título para nós no finalzinho.

***************************************************

RENATO “BAD” KORT – Torcedor do Flamengo

BV: Por que o Flamengo será o campeão carioca?
Bad: O elenco do Flamengo tem um conjunto melhor que o Fluminense em se tratando de técnica. Confio na vitória pela força do grupo, mesmo com a falta do Diego.

BV: Zé Ricardo é melhor que Abel Braga?
Bad: Não. Abel é o verdadeiro craque do Flu, tem uma leitura de jogo como poucos, chama a responsabilidade pra si e não tem medo de arriscar, e esse é o meu maior medo. O Zé é sócio da escola de samba da qual sou diretor, estamos sempre conversando e ele, apesar de também fazer uma boa leitura, acho que por ser novo ainda não arrisca tanto. Mas acho ele um conhecedor dentro das quatro linhas.

BV: Quem é o cara que pode decidir esse campeonato a favor do Flamengo?
Bad: Nos clássicos, o Guerrero costuma se apresentar e chamar a responsabilidade. Meu Deus! Eu não sei onde estou com a cabeça em falar isso, mas o Márcio Araújo está comendo a bola, vide o que fez com o Camilo na semifinal (putz, falei!).

BV: O que representa, em sua opinião, esse título para o restante da temporada?
Bad: O único estadual que serve como base para o Brasileiro é o Paulista. O estadual do Rio de Janeiro serve como aprimoramento, pois a diferença entre os clubes grandes para os pequenos são gritantes. Toda conquista é boa, mas pode esconder falhas, que no futuro serão cobradas.

BV: Se fosse um jogo de botão, como você descreveria o lance do gol do título?
Bad: Faltam 20 segundos, jogo empatado, Jefferson (que tem cara de tricolor) 5 X 5 Thiago Penna (jeito de flamenguista, marra de flamenguista, um irmão pra mim, por isso eu o escolhi, apesar de achar que é Vasco). O tricolor coloca a bola no direito do círculo, como ele gosta e chuta, a redonda caprichosamente estala na trave e vai para a frente, passa dois dedos do meio-campo e Thiago Penna pede pro gol, sem olhar que o zagueiro está torto. Mesmo assim, avisa que vai chutar com o bruto, momento de tensão na sala, todos param, Jefferson finge que está resfriado (ele sempre faz isso), Thiago se concentra e manda o petardo... Ela entra na caixa, por cima, silêncio de um lado e vibração do outro! No último lance, no último minuto, contra um gigante do outro lado... E assim se berra a vitória e vem o 34º caneco pra Gávea do jeito que sempre vem.

sábado, 22 de abril de 2017

No Dia do Descobrimento, Valini festeja título no Bloco do “R”

Em 1500, o rei português Dom Manuel I autorizou que o navegante Pedro Álvares Cabral organizasse uma esquadra que, segundo consta, deveria aportar na Índia.
Contudo, mesmo estando muito bem amparada, a esquadra de Cabral seguiu uma rota marítima inesperada e acabou em um lugar diferente do que fora planejado.
Há exatos 517 anos, em 22 de abril, a coroa portuguesa descobriu o Brasil, um país até então “inóspito” e cheio de riquezas naturais.
Durante anos os portugueses aproveitaram essas terras virgens para explorar tudo o que tinha para lhes oferecer.
Para marcar a data histórica, cinco botonistas resolveram se reunir no Bloco do “R” na tarde deste sábado (22) para a disputa da Copa do Descobrimento. A competição contou com os paulistanos Araújo, Anderson e Marcelo de Assis, além do anfitrião Zé Mario e Valini.
Na primeira fase, os botonistas se enfrentaram em turno único. Após cinco rodadas, Valini fechou a fase em primeiro, com 12 pontos ganhos. Zé Mario foi o segundo, com 09 pontos; seguido por Marcelo de Assis, em terceiro, com 06 pontos; Araújo, em quarto, com 03 pontos e Anderson, na quinta posição, com 00.
Na fase semifinal, em jogo único, Valini eliminou Araújo após um empate em 5 a 5. No outro confronto, Zé Mario derrotou Marcelo de Assis por 5 a 2.
Na disputa pelo 3º Lugar, Marcelo de Assis levou a melhor e derrotou Araújo por 5 a 4. No jogo que decidiu a competição, Valini venceu Zé Mario por 7 a 4.

sábado, 21 de janeiro de 2017

Arena Valini recebe a “Copa da Amizade” de Futebol de Mesa

A bolinha rolou pela primeira vez na cidade de Salto no ano de 2017. Neste sábado (21), aconteceu a disputa da “Copa da Amizade” de Futebol de Mesa. O torneio reuniu cinco botonistas: o anfitrião Valini, a dupla paulistana Anderson e Araújo, e dois ex-botonistas do Maria Zélia da década de 90, o “internacional” Enderson e o jornalista Marcelo de Assis.
            A competição foi disputada no sistema de pontos corridos, com os botonistas se enfrentando em turno e returno. E após 10 rodadas, o título acabou sendo decidido no saldo de gols.
            Valini e Enderson terminaram com 21 pontos ganhos (cada um obteve sete vitórias e uma derrota). Ambos marcaram 40 gols, porém Valini sofreu apenas 12 gols, contra 16 de Enderson. Com isso, o troféu ficou com o anfitrião.
            Na terceira colocação ficou Marcelo de Assis, com Araújo em quarto e Anderson em quinto lugar.
            Mais do que a diversão proporcionada pelo esporte, o dia foi marcado por grandes lembranças, descontração e o mais importante, amizades!

sábado, 3 de dezembro de 2016

Sandro Gavião conquista o Circuito Ituano de Futmesa

Com a presença de apenas quatro botonistas aconteceu neste sábado (3) a última etapa do Circuito Ituano de Futebol de Mesa. O torneio teve como vencedor Sandro Gavião, que de quebra faturou ainda o Circuito Ituano.
Na primeira fase, Zé Mario, Sandro Gavião, Marcão e Tchaka se enfrentaram em turno único. Após três rodadas, Sandro (1º colocado) e Tchaka (2º) decidiram a etapa em um jogo único. Por ter a melhor campanha, Sandro fez valer a vantagem do empate e venceu a competição.

Confira a campanha do CAMPEÃO:
Primeira Fase:
SANDRO GAVIÃO 7 X 3 Marcão
SANDRO GAVIÃO 6 X 6 Tchaka
SANDRO GAVIÃO 4 X 2 Zé Mario
Final:
SANDRO GAVIÃO 6 X 6 Tchaka

Classificação Geral:
            Ao longo das 12 etapas disputadas no decorrer do ano, o Circuito Ituano de Futmesa registrou nove vencedores diferentes e contou com a participação de 31 participantes. Os vencedores foram: João Pedro (janeiro), Pietro Varoli (fevereiro), Márcio Costa (março), Bruno Blois (abril), Pietro Varoli (maio), Vaini (junho), Sammartino (julho), Márcio Costa (agosto), Valini (setembro), Pedro Neto (outubro), Rafael Mello (novembro) e Sandro Gavião (dezembro). A classificação final do Circuito Ituano foi a seguinte:
1º SANDRO GAVIÃO: 829 pontos
2º Zé Mario: 822 pontos
3º Valini: 692 pontos
4º Márcio Costa: 611 pontos
5º Rafael Mello: 496 pontos
6º Robson Mota: 481 pontos
7º Pedro Neto: 399 pontos
8º Marcão: 396 pontos
9º Pietro Varoli: 293 pontos
10º Tchaka: 277 pontos
11º Fernando Dézio: 252 pontos
12º Wilson Benevides: 209 pontos
13º João Pedro: 201 pontos
14º Anderson: 189 pontos
15º Araújo: 176 pontos
16º Ismael: 163 pontos
17º Tadeu: 156 pontos
18º Eduardo Carioca: 155 pontos
19º Felippe Moro: 145 pontos
20º Emerson: 128 pontos
21º Rafael Bernardes: 126 pontos
22º Igor Oliveira: 125 pontos
23º Sammartino: 115 pontos
24º Fernando Garcia: 83 pontos
25º Bruno Blois: 80 pontos
26º Robertinho: 80 pontos
27º Hélio Dancaurt: 56 pontos
28º Lira: 51 pontos
29º Lui: 51 pontos
30º Daniel Roldan: 41 pontos
31º Daniel: 41 pontos

domingo, 20 de novembro de 2016

Rafael Mello vence a penúltima etapa do Circuito Ituano de Futmesa

Foi realizada na tarde deste sábado (19) a penúltima etapa do Circuito Ituano de Futebol de Mesa. A competição reuniu sete botonistas e teve um novo vencedor: Rafael Mello. Com essa conquista, foram oito vencedores diferentes nas 11 etapas disputadas até aqui.
            O torneio, que recebeu o nome de Troféu “Bloco do “R”, em homenagem ao aniversário do clube, ocorrido no feriado do último dia 15 de novembro, foi disputado no sistema de pontos corridos. Após sete rodadas, três botonistas terminaram com a mesma pontuação: Rafael Mello, Tchaka e Robson Mota. Porém, o saldo de gols acabou sendo determinante para a definição do vencedor. Rafael Mello teve um saldo positivo de cinco gols, Tchaka ficou com quatro e Robson teve apenas três gols de saldo. Fecharam a classificação: Sandro Gavião (4º Lugar), Zé Mario (5º Lugar), Marcão (6º Lugar) e Valini (7º Lugar).

Confira a campanha do CAMPEÃO:
Fase Única:
RAFAEL MELLO 4 X 3 Zé Mario
RAFAEL MELLO 7 X 5 Sandro Gavião
RAFAEL MELLO 5 X 3 Valini
RAFAEL MELLO 4 X 5 Robson Mota
RAFAEL MELLO 5 X 3 Marcão
RAFAEL MELLO 5 X 6 Tchaka

Classificação Geral:
            Faltando apenas uma etapa para o encerramento da temporada a briga pelo título do Circuito Ituano de Futebol de Mesa está acirrada. A diferença do líder geral (Zé Mario) para o vice-líder (Sandro Gavião) é de apenas dois pontos. A última etapa será realizada no dia 3 de dezembro. Após 11 etapas disputadas, a classificação é a seguinte:
1º ZÉ MARIO: 752 pontos
2º Sandro Gavião: 749 pontos
3º Valini: 692 pontos
4º Márcio Costa: 611 pontos
5º Rafael Mello: 496 pontos
6º Robson Mota: 481 pontos
7º Pedro Neto: 399 pontos
8º Marcão: 333 pontos
9º Pietro Varoli: 293 pontos
10º Fernando Dézio: 252 pontos
11º Wilson Benevides: 209 pontos
12º João Pedro: 201 pontos
13º Tchaka: 199 pontos
14º Anderson: 189 pontos
15º Araújo: 176 pontos
16º Ismael: 163 pontos
17º Tadeu: 156 pontos
18º Eduardo Carioca: 155 pontos
19º Felippe Moro: 145 pontos
20º Emerson: 128 pontos
21º Rafael Bernardes: 126 pontos
22º Igor Oliveira: 125 pontos
23º Sammartino: 115 pontos
24º Fernando Garcia: 83 pontos
25º Bruno Blois: 80 pontos
26º Robertinho: 80 pontos
27º Hélio Dancaurt: 56 pontos
28º Lira: 51 pontos
29º Lui: 51 pontos
30º Daniel Roldan: 41 pontos
31º Daniel: 41 pontos

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Futuro do Futmesa paulista será definido neste sábado

Farah foi presidente da FPFM entre os anos de 2007 e 2014
O conturbado momento que passa o Futebol de Mesa paulista terá mais um capítulo neste final de semana. Na manhã deste sábado (19), será realizada nas dependências do clube Cisplatina, na Capital, uma Assembleia Geral Extraordinária para definir os rumos do esporte em São Paulo. O objetivo é definir um gestor que irá tomar frente da entidade, após a renúncia do presidente Ernandes Roberto Felício Junior. O nome mais cotado para (re)assumir a Federação Paulista de Futebol de Mesa é de um velho conhecido: José Jorge Farah Neto. O BLOG DO VALINI conversou com o ex-presidente, que fez uma análise do momento vivido pelo esporte.

BV) De que forma o senhor recebeu a renúncia do presidente?
Farah: Com alguma surpresa pelo momento do ato, pois acabavam de fazer uma assembleia para decidir os destinos da Federação Paulista em 2017. A posição poderia ter sido tomada ao final do ano, não sei qual seria o correto, mas infelizmente não é bom que isto aconteça em um esporte já tão fragilizado. A gestão já vinha tendo de alguns clubes devido a divergências. Enfim, uma pena o fato todo em si.

BV) O senhor foi quem colocou o presidente que renunciou no cargo. Se arrepende?
Farah: Aí há um equívoco, eu não coloquei ninguém na presidência. Não tenho poder de voto. Quem o elegeu foram os clubes, eu apenas indiquei, posto que foi a única pessoa que prontificou-se a disputar as eleições. Ninguém, até então, havia pronunciado para ser o gestor da entidade, posto que meu mandato terminaria ao final de 2014. O Dentinho quis ser o presidente, eu apenas informei, e ele obteve a indicação de três clubes como manda o estatuto da entidade.

BV) A volta do senhor é um clamor geral entre os botonistas. Isso significa que o senhor irá aceitar ser o presidente da FPFM?
Farah: Eu amo o Futebol de Mesa, muito! Voltar é uma questão de conversar com os clubes após a reunião do dia 19 (sábado), na sede do Cisplatina. Os clubes sempre foram ouvidos em minha gestão, sempre procurei dentro da lógica atender as vontades e orientações dos botonistas, fiz muita coisa, tentei vários caminhos para que a gestão fosse dentro de um padrão em que o esporte crescesse, errei muito também. Ao deixar a entidade, deixei uma excelente verba (para a FPFM um valor nunca antes arrecadado), isto pata que a gestão seguinte pudesse dar continuidade aos bons passos e alterasse o que fosse necessário. Infelizmente, vimos e constatamos que o caminho tomado não foi o ideal, mas não posso julgar nem analisar, pois estou a dois anos afastado e preciso tomar conhecimento de como está tudo.

BV) Qual a finalidade da assembleia geral que será realizada neste sábado?
Farah: Eleger um grupo colegiado ou um representante para terminar a gestão em 2016 e cumprir as exigências de uma nova eleição para que no dia 14 de janeiro de 2017, na assembleia anual, se eleja o novo presidente da entidade, com mandato de quatro anos.

BV) Como o senhor espera encontrar a FPFM?
Farah: É preciso fazer um levantamento de como está a situação real da entidade. Eu sempre divulguei mensalmente tudo que se gastava e arrecadava com a entidade, coisa que me parece não aconteceu mais. Não tenho ideia de como está, de fato, o caixa da entidade.

BV) O que o senhor pretende fazer para recuperar o caixa da entidade?
Farah: Tem muito que se pode fazer para que a entidade tenha vida própria e ajude os clubes a fazer a gestão. Tem que ver o que foi programado, segundo o Dentinho mesmo afirmou em e-mails enviados por ele, e daí para frente fazer a programação de modo que tudo caminhe como sempre caminhou em minha gestão, de forma reta e sempre em frente, e o esporte cresça de fato. O Futebol de Mesa não permite sonhos “faraônicos”, desculpe a redundância, ele tem que caminhar de acordo com o que sua condição permite, devagar e sempre.

BV) Quem será a equipe que irá trabalhar com o senhor? Como e por quem será composta a diretoria? Pretende usar alguém do grupo que renunciou?
Farah: Nem pensei nisto. Para pensar, é necessário saber o que será determinado no dia 19, ver quem está disposto a de fato trabalhar, pois jogar pedra é muito fácil, fui vidraça de 2007 a 2014, saí e nunca joguei uma pedra. Acho que a postura deve ser essa, se não pode ajudar, não atrapalhe. Creio que para fazer uma boa gestão, primeiramente, uma boa equipe se faz necessário. Eu, caso fosse presidente, tenho todos os nomes na minha cabeça que poderia contar, com certeza.

BV) Haverá alguma mudança em relação aos torneios e premiações dos campeonatos que serão finalizados neste ano?
Farah: Novamente lhe digo: temos que ver como está tudo, fazer um balanço do que agradou aos botonistas e aos clubes, e assim, em cima disto, fazer o planejamento do trabalho a ser feito.

BV) Como o senhor vê o Futmesa hoje? Ele evoluiu depois que o senhor deixou a presidência da FPFM?
Farah: Em minha opinião, baseado no pouco que vi e pude vivenciar, alguma coisa melhorou, outras coisas que haviam sido feitas antes não foram levadas em consideração, creio que a vontade de acertar era grande, mas não se pensou muito antes de alterar o que vinha dando muito certo. Em resumo, melhorar sempre melhora um pouco, mas preciso me inteirar de tudo que fizeram, pois estou afastado a dois anos e jamais interferi nesta gestão, não tenho ideia da situação da FPFM atualmente.

BV) Foi acertada a decisão de mudar a regra do tiro de meta no chute a gol?
Farah: Em minha opinião, inclusive já exposta em rede social, NÃO! Tentaram colocar esta regra a muito tempo atrás e por diversas vezes sempre fui contra. Talvez por isso não tenha sido alterada anteriormente. Essa alteração deixou o jogo feio e não muda muito o resultado final. Enfim, já mudaram, erroneamente em minha opinião, e para voltar temos que fazer um processo correto, diferente do que foi feito, pois não se altera regras da noite para o dia. Me desculpe, mas a caneta não pode ser usada desta forma, tipo é assim e pronto. Quando alteramos o modelo da bola, muitos estudos foram feitos, fizemos testes em torneios antes de colocar a nova bola, que já não é mais tão nova, lembrando que quando alteramos deixamos aberta a porta para que a bola de feltro, se for do interesse da CBFM, possa voltar a qualquer momento, assim como outros materiais que possam vir a aparecer. Há muito o que se fazer, eu já dizia isso quando deixei a presidência, mas vamos aguardar sábado para saber o que será feito. Os clubes unidos são imbatíveis e o gestor indicado tem que ter tranquilidade e capacidade de ter pulso firme para tomar decisões difíceis. Prevejo um ano complicado para 2017, mas com grandes possibilidades de melhora.

BV) Para finalizar, o senhor aceita ser esse gestor?
Farah: Se os clubes precisarem e não houver ninguém disposto a assumir, aí não vai ter jeito. Mas vamos abrir para inscrição de chapas, quem sabe...